Sexta-feira, 14 Setembro 2012 13:37 | Liliana Oliveira

O governo japonês anunciou, hoje, que num prazo de 30 anos o país deve abandonar progressivamente a produção de energia nuclear. Depois do maior desastre da história japonesa, a catástrofe em Fukushima, a pressão da opinião pública incentivou esta decisão do Japão.

O desastre ocorrido, à 18 meses atrás, a 220 quilómetros de Tóquio obrigou cerca de 100 mil habitantes a fugir dessa região japonesa, e as consequências mudaram a perceção deste tipo de produção de energia.

Assim, depois da Alemanha e Suíça anunciarem a sua intenção de deter os reatores (a Alemanha deve desligar o seu último reator já em 2022) também o Japão anuncia que "o governo vai adotar todas as medidas possíveis para reduzir a zero o uso da energia nuclear até 2040", afirma um relatório governamental.

Esta decisão tem por base 3 princípios: nenhuma central nuclear será construída; os reatores em atividade deixarão de funcionar após 40 anos de atividade; reatores desligados só serão autorizados a voltar a funcionar após verificações de segurança de uma entidade ad hoc.

Antes do desastre em Fukushima, 30 por cento da demanda energética do Japão era produção nuclear, sendo que o governo tencionava aumentar a percentagem para os 53 por cento, no entanto, anunciou hoje a mudança de perpetiva em relação a este tipo de energia.


RELACIONADOS
Partilhar
Esta e outras notícias no seu e-mail, todos os dias