Sexta-feira, 21 Setembro 2012 09:48 | António Henriques

Mulher vai responder pelo crime de homicídio negligente, no caso da criança de 3 anos que ingeriu metadona. Segundo a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL), a tia tinha o sobrinho a seu cuidado e, além de ter permitido o acesso àquele substituto de heroína, deixou que o menor adormecesse, não providenciando os cuidados médicos.

A tia do pequeno Tiago Rodrigues vai sentar-se no banco dos réus, respondendo pelo crime de homicídio negligente, num caso que remonta a dezembro de 2011. A mulher, de 53 anos, não só permitiu o acesso à metadona, como não tomou diligências no sentido de que fossem prestados cuidados médicos à criança, que viria a morrer.

A criança vivia com a mãe e com a tia na mesma habitação, no bairro social do Lumiar, em Lisboa. Este acidente fatal ocorreu no dia de Natal. O Ministério Público (MP) conclui que a arguida é responsável pela morte do Tiago, por negligência. O Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa acusou a mulher da prática daquele crime.

A arguida vai aguardar julgamento em liberdade, sendo que incorre numa pena inferior a cinco anos de anos de prisão, caso seja condenada. Todos os casos com esta moldura penal não estão sujeitos a prisão preventiva.

De acordo com o jornal Público, a metadona pertencia à mãe do Tiago, que atravessava um processo de recuperação de dependência de heroína. O pai da criança não residia na mesma casa.

A criança acabou por morrer no hospital, depois de transportada pela mãe, que verificou que o menino não se sentia mal. Realizada a autópsia, verificou-se que a causa de morte foi ingestão de metadona. As autoridades suspeitaram de que a metadona teria sido ministrada para ajudar a criança a dormir, mas as investigações concluíram que a metadona estava num local de fácil acesso ao menor.


RELACIONADOS
Partilhar
Esta e outras notícias no seu e-mail, todos os dias