Hoje é dia



4 de abril, dia de recordar Martin Luther King

Joana Teles   
Sexta-feira, 04 Abril 2014 00:00

martin_luther_kingCorria o ano de 1968. A 4 de abril, Martin Luther King é assassinado, em Memphis. Desaparece o homem, mas permanece a mensagem de um dos grandes líderes do movimento dos direitos civis dos negros, nos EUA e no mundo. Hoje é dia de recordar Luther King.

Martin Luther King nasceu em Atlanta, a 15 de janeiro de 1929, e foi um pastor protestante e ativista político norte-americano. Destacou-se na defesa direitos civis dos negros, promovendo uma campanha pela liberdade, contra a violência e a segregação racial.

Organizou e liderou marchas, para conseguir o direito ao voto, contra as discriminações no trabalho e na defesa de outros direitos básicos da população negra.

Luther King viria a conquistar o Prémio Nobel da Paz, em 1964, quatro anos antes de ser assassinado, tornando-se na pessoa mais jovem a receber esta distinção, como reconhecimento à sua liderança na resistência não violenta, pelo fim do preconceito racial nos EUA.

Este Nobel representa uma distinção que honra a sua luta, de um tempo em que nos EUA as mulheres negras eram presas por não cederem o seu lugar às mulheres brancas, num autocarro.

“Eu Tenho um Sonho”, célebre discurso de Martin Luther King, em março de 1963, é considerado uma das comunicações de referência na história da Humanidade.

Em Washington, através de palavras intensas, Luther King defende a igualdade de direitos entre brancos e negros, contra a pobreza dos negros, numa América que o fazia sonhar.

Morre a 4 de abril de 1968. Era odiado por racistas do sul da América. Momentos antes de uma marcha, num hotel da cidade de Memphis, é assassinado.

A 4 de abril, assinalam-se outros acontecimentos que ficam marcados para sempre na História. Em 1581, Francis Drake completa circum-navegação terrestre e é sagrado cavaleiro por Isabel I.

A Revolta da Madeira tem início neste dia, em 1931. Esta ação de protesto contra a ditadura militar, que ficou conhecida como a Revolta da Farinha, é levada a cabo por militares de populares da ilha portuguesa. Para evitar um banho de sangue, os militares rendem-se e acabam por ser levados para Cabo Verde.

Em Washington, EUA, rubrica-se a 4 de abril de 1949 o Tratado do Atlântico Norte, que dá origem à NATO.

O World Trade Center, sete edifícios em Nova Iorque que tinham como referência as Torres Gémeas, é inaugurado a 4 de abril de 1973, um ano antes da vitória dos ABBA, no festival Eurovisão da Canção.

E também um ano depois, em 1975, Bill Gates e Paul Allen fundam a Microsoft. Em Portugal, neste dia, no ano de 1998, inaugura-se a ponte Vasco da Gama, em Lisboa.

Nasceram a 4 de abril a rainha portuguesa D. Maria II (1819), Isoroku Yamamoto, almirante japonês que planeou o ataque a Pearl Harbour (1884), Marguerite Duras, escritora francesa (1914), Charles Bernstein, poeta e professor norte-americano (1950), e Gary Moore, guitarrista irlandês (1952).

Morreram neste dia o rei Afonso X de Castela (1284), o Papa Nicolau IV (1292), Mouzinho da Silveira, estadista português (1849), Karl Benz, engenheiro alemão, inventor do automóvel (1929), Carl Ludwig Siegel, matemático alemão (1981), Oleg Antonov, engenheiro aeronáutico soviético (1984), e Salgueiro Maia, capitão preponderante na revolução do 25 de Abril (1992).

Hoje, assinala-se o Dia da Paz em Angola, o Dia da Criança em Hong Kong e Taiwan, o Dia da Libertação na Hungria, o Dia da Independência no Senegal e o Dia dos Heróis no Lesoto.

Última atualização: Sexta-feira, 04 Abril 2014 14:19
 

3 de abril, dia da morte de Aristides de Sousa Mendes

Joana Teles   
Quinta-feira, 03 Abril 2014 00:00

aristides_sousa_mendesCônsul de Portugal em Bordéus, Aristides de Sousa Mendes ignorou ordens de Salazar, concedendo 30 mil vistos de entrada em Portugal a refugiados que pretendiam fugir de França, aquando da invasão nazi. Estima-se que tenha salvo 10 mil judeus do Holocausto. Aristides de Sousa Mendes morreu a 3 de abril de 1954.

Aristides de Sousa Mendes é apelidado de “o Schindler português”. Ignorou ordens de António de Oliveira Salazar, que era chefe de Governo e acumulava a pasta de ministro dos Negócios Estrangeiros.

Como cônsul de Portugal em Bordéus, aquando da invasão da França pela Alemanha nazi, na II Guerra Mundial, abriu as portas da sobrevivência a milhares de pessoas.

Este diplomata português – que nascera em Carregal do Sal, Cabanas de Viriato, a 19 de julho de 1885 – concedeu vistos a refugiados de diversas nacionalidades, pessoas que desejavam fugir da França, em 1940, salvando-as do Holocausto. Aristides de Sousa Mendes viria a morrer em Lisboa, a 3 de abril de 1954.

A história de 3 de abril conta-se com outros factos históricos. No ano de 468, é eleito o Papa Simplício. E em 1493, Cristóvão Colombo é recebido em Barcelona pelos Reis Católicos, depois da viagem da descoberta da América.

Neste dia, em 1862, o escritor francês Victor Hugo publica o livro ‘Os Miseráveis’, que se tornaria numa das obras de referência da literatura mundial.

E 2 de abril assinala os inícios de mandatos consecutivos de Franklin Roosevelt como presidente dos EUA: o primeiro em 1933, o segundo em 1937, o terceiro em 1941 e o quarto em 1944. Em 1933, pela primeira vez, o Monte Everest é sobrevoado pelos pilotos Lord Clydesdale e David McIntyre, na Houston-Westland Expedition.

Neste dia, em 1940, Winston Churchill é nomeado chefe do Conselho de Defesa Britânico. E a 3 de abril de 1973 realiza-se, pela primeira vez, uma chamada de telemóvel. O gerente da Motorola, Martin Cooper, é o protagonista desse telefonema pioneiro.

No Chile, em 2001, o Parlamento aprova a abolição definitiva da pena de morte e em 2007 bate-se o recorde mundial de velocidade do TGV, que atinge 574,8 quilómetros por hora.

Nasceram neste dia o rei Henrique IV de Inglaterra (1367), Washington Irving, escritor norte-americano (1783), Marlon Brando, ator norte-americano (1924), Doris Day, atriz norte-americana (1924), Helmut Kohl, político alemão (1930), Alec Baldwin, ator norte-americano (1958), e Eddie Murphy, ator norte-americano (1961).

Morreram a 3 de abril o Papa Honório IV (1287), Bartolomé Esteban Murillo, pintor espanhol (1682), Tomás da Anunciação, pintor português (1879), Jesse James, assaltante norte-americano de comboios e bancos (1882), Johannes Brahms, compositor alemão (1897), Joseph Bertrand, matemático francês (1900), Aristides de Sousa Mendes, cônsul de Portugal em Bordéus (1954), Juan Trippe, fundador da companhia aérea Pan Am (1981), Sarah Vaughan, cantora norte-americana (1990), Agostinho da Silva, filósofo português (1994), e Eugène Terre'Blanche, ativista político sul-africano (2010).

 

Última atualização: Quarta, 02 Abril 2014 22:15
 

2 de abril, morre o Papa João Paulo II

Joana Teles   
Quarta, 02 Abril 2014 00:00

papa_joao_pauloÉ considerado um dos líderes mais influentes do século XX e uma das grandes personalidades mundiais. Karol Wojtyła, o Papa João Paulo II, morreu a 2 de abril de 2005, dia que pôs termo ao terceiro maior pontificado da História.

Karol Wojtyła nasceu em nasceu em Wadowice, uma pequena localidade do sul da Polónia, a 18 de maio de 1920. Tornou-se papa e líder mundial da Igreja Católica Apostólica Romana a 16 de outubro de 1978.

Do seu longo pontificado (o terceiro maior, segundo documenta a História, apenas mais curto do que os dos papas São Pedro, que reinou 34 anos, e Pio IX, que reinou 31 anos), destaca-se a capacidade de união entre povos de diferentes credos, bem como nas boas relações entre Igreja Católica e judaísmo e islamismo.

O Papa João Paulo II visitou 129 países, beatificou 1340 pessoas e canonizou 483 santos. Morreu a 2 de abril de 2005, devido a problemas de saúde relacionados com a idade e após agravamento da doença de Parkinson, de que padecia. O seu sucessor (Papa Bento XVI, entretanto substituído pelo argentino Francisco I) proclamou-o ‘Venerável’, a 19 de dezembro de 2009, e beato, a 1 de maio de 2011.

Neste dia 2 de abril, outros factos históricos se assinalam. Em 1902, é inaugurada a primeira sala de cinema dos EUA, o Electric Theatre (em Los Angeles, Califórnia). Em 1917, Woodrow Wilson, Presidente norte-americano, junta os membros do Congresso, numa reunião extraordinária, onde é declarada guerra à Alemanha.

Também a 2 de abril, mas em 1976, conclui-se a redação da Constituição da República Portuguesa. E em 2008, assinala-se primeira vez o Dia Mundial do Autismo, decretado pela ONU.

Nasceram neste dia Carlos Magno, rei dos Francos (747), Hans Christian Andersen, escritor dinamarquês (1805), Émile Zola, romancista e crítico francês (1840), Nicholas Butler, filósofo norte-americano, Prémio Nobel da Paz (1862), Salvador Caetano, empresário português (1926), Ferenc Puskás, ex-futebolista húngaro (1927), e Marvin Gaye, cantor e compositor norte-americano (1939).

Morreram a 2 de abril Balduíno I, rei de Jerusalém (1118), Samuel Morse, inventor do código Morse (1872), Paul Ludwig von Heyse, escritor alemão, Prémio Nobel de Literatura (1914), Theodore William Richards, químico norte-americano, Prémio Nobel de Química (1928), Georges Pompidou, ex-presidente da França (1974), e João Paulo II, o 265.º papa (2005).

 

Última atualização: Terça-feira, 01 Abril 2014 21:06
 

1 de abril, morre Mário Viegas, o poeta declamador

Joana Teles   
Terça-feira, 01 Abril 2014 00:00

mario_viegasAtor, encenador e declamador, Mário Viegas foi um homem do teatro, do cinema, da poesia, da arte, que quis transportar o sonho ao poder. Morreu a 1 de abril de 1996, sem cumprir o sonho, mas dotando as palavras de um poder imenso. Sossegou-se a voz notável e a presença inesquecível de um génio, que deixou obra e saudade. 

Hoje é dia de recordar Mário Viegas, o poeta, o declamador, o homem que criou três companhias de teatro, que atuou nos palcos do mundo de expressão portuguesa.

Foi um dos melhores atores do seu tempo e do tempo dos outros. Dirigiu obras de autores clássicos, desde Samuel Beckett a Anton Tchekov, entre muitos outros.

O talento de Mário Viegas provocou uma coleção de distinções, da Casa da Imprensa, da Associação Portuguesa de Críticos de Teatro e da Secretaria de Estado da Cultura, que lhe atribuiu o Prémio Garrett (1987).

Também fora de Portugal acabou por ser premiado, no Festival de Teatro de Sitges e no Festival Europeu de Cinema Humorístico da Corunha.

Na sua incursão no cinema, integrou o elenco de 15 filmes, de entre as quais ‘A Divina Comédia’, de Manoel de Oliveira (1991), ou ‘Sostiene Pereira’, de Roberto Faenza (1996), onde contracenou com Marcello Mastroianni.

Viegas deu eco à poesia de Fernando Pessoa, Luís de Camões, Cesário Verde, Camilo Pessanha, Jorge de Sena, Ruy Belo, Eugénio de Andrade, Bertolt Brecht, Pablo Neruda, além de dezenas de outros autores, com recitais únicos.

Transportou a poesia portuguesa para a televisão, com os programas ‘Palavras Ditas’, em (1984), e ‘Palavras Vivas’, de (1991), contribuindo para a divulgação de obras caladas no silêncio dos livros.

Fernando Viegas fez ainda uma incursão pelo mundo da política, candidatando-se a deputado, pela UDP, em 1995. Adotou o slogan ‘O Sonho ao Poder’. Slogan feliz, que dispensa outras palavras.

Acabou premiado, com a Medalha de Mérito do Município de Santarém, em 1993, e com o título de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique, que recebeu das mãos de Mário Soares, em 1994. Morre a 1 de abril de 1996, com muitas palavras por dizer e com o sonho longe do poder.

Outros factos se assinalam a 1 de abril. A guerra da independência da Holanda tem início neste dia, em 1572. Em 1933, Hitler boicota negócios de judeus, congelando as suas contas bancárias. Seis anos mais tarde, termina a guerra civil espanhola, que marca o início da ditadura franquista.

Já a 1 de abril de 1960, o governo sul-africano proíbe os Congressos Nacional Africano e Pan-Africano. Em 1976, Steve Jobs e Steve Wozniak fundam a Apple. Exatamente um ano mais tarde, o governo democrático espanhol dissolve a Falange Espanhola, partido único do regime ditatorial de Franco.

No ano de 1990, nasce o primeiro partido não-comunista na URSS: o Partido Liberal-Democrata. Em a 1 de abril de 1997, Portugal assume a presidência do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Em 2001, antigo presidente jugoslavo Slobodan Milosevic entrega-se à polícia jugoslava, um ano antes de a Holanda se tornar no primeiro país do mundo a legalizar a eutanásia, morte assistida.

Nasceram neste dia Go-Saga, 88.º imperador do Japão (1220), William Harvey, físico inglês que descobriu a circulação sanguínea (1578), Sophie Germain, matemática francesa (1776), Otto von Bismarck, político alemão (1815), Joseph Murray, médico norte-americano, Nobel de medicina (1919), e José Rodrigues dos Santos, jornalista português (1964).

Morreram a 1 de abril o Papa Marcelino (304), Zauditu, imperatriz etíope (1930), Jorge II, rei da Grécia (1947), Max Ernst, pintor alemão (1976), Marvin Gaye, cantor norte-americano (1984), e Mário Viegas, ator e declamador português (1996).

Hoje, assinala-se em muitos países o Dia das Mentiras. No entanto, a História não mente.

Última atualização: Terça-feira, 01 Abril 2014 00:12
 

31 de março, a Torre Eiffel é inaugurada em Paris

Joana Teles   
Segunda-feira, 31 Março 2014 01:00

torre eiffel construcaoProjetado por Gustave Eiffel, o monumento de Paris, um ícone da França, foi inaugurado a 31 de março de 1889. Neste dia, nasceu René Descartes, morreram Isaac Newton e Jesse Owens. Extingue-se a Inquisição em Portugal e dissolve-se o Pacto de Varsóvia.

A 31 de março de 1889, é inaugurado o arco de entrada da Exposição Universal de 1889: a Torre Eiffel. Um dia histórico, a origem de um dos mais fascinantes monumentos em todo o mundo, projetado por um engenheiro francês, também criador da Estátua da Liberdade.

A Torre Eiffel é o edifício mais alto de Paris e o monumento pago mais visitado do mundo (mais de sete milhões de pessoas, todos os anos). Foi edificada para honrar o centenário da Revolução Francesa e tratava-se de uma estrutura temporária. No entanto, foi tomada a decisão de nunca a desmantelar.

A torre de Gustave Eiffel transformou-se num ícone da França e é uma das estruturas mais reconhecidas, não apenas pela sua dimensão – longos 324 metros de altura –, mas pela arte que ostenta e simbolismo que entretanto adquiriu.

Chegou a ter o título de estrutura mais alta do mundo. No entanto, em 1930 perde esse estatuto para o Chrysler Building, em Nova Iorque (EUA). A 31 de março, recorda-se a inauguração do monumento que passou de provisório a eterno.

Outros factos eternos são também assinalados a 31 de março. Em 1371, celebra-se o Tratado de Alcoutim: D. Fernando e D. Henrique II de Castela comprometem-se a manter boas relações com o rei de França.

Também neste dia, em 1821, extingue-se a Inquisição em Portugal. Exatamente um ano mais tarde, dá-se o massacre de Quíos. A população daquela ilha grega é massacrada pelos turcos, depois de uma tentativa de rebelião.

No Brasil, em 1964, dá-se um golpe militar que derruba o presidente João Goulart. Inicia-se então o regime militar do marechal Castello Branco, que duraria mais de duas décadas, até 1985.

No dia 31 de março de 1991, dissolve-se o Pacto de Varsóvia, uma aliança militar formada pelos países socialistas do leste europeu e pela União Soviética, a 14 de maio de 1955. E em 1994, a revista Nature anuncia a descoberta do primeiro crânio completo de um ‘australopithecus afarensis’, na Etiópia.

Nasceram neste dia o Papa Pio IV (1499), Henrique II de França (1519), René Descartes, matemático francês (1596), Papa Bento XIV (1675), Mariana de Bourbon, nobre portuguesa (1718), Charles Walcott, paleontólogo norte-americano (1850), e Al Gore, político norte-americano (1948).

Morreram a 31 de março Johann Christoph Bach, compositor alemão (1703), Isaac Newton, matemático e físico britânico (1727), Anne Frank, autora de ‘O Diário de Anne Frank’ (1945), e Jesse Owens, atleta norte-americano (1980).

Última atualização: Domingo, 30 Março 2014 19:45
 


Página 13 de 23